Especialistas no diagnóstico de miopia

O corpo clínico de oftalmologistas do COI Oftalmologia é especializado no diagnóstico, no tratamento e cirurgia de Miopia no Rio de Janeiro. Contamos com os mais avançados aparelhos para a identificação desta condição.

Além da alta tecnologia, também prezamos o bom atendimento, que vai desde a pontualidade até a atenção e cuidado total ao paciente.

O que é e quais as causas da miopia?

A miopia é uma condição consiste na incapacidade de focar objetos distantes (embaçamento visual para longe) e na capacidade de focar objetos próximos com clareza (visualização de objetos próximos com muita nitidez).

Em pacientes míopes, a imagem é focada antes de chegar a retina. O lugar ideal seria em cima da retina exatamente, nem antes e nem depois. Esse distúrbio ocorre pelos seguintes motivos:

  • Axial: ocorre quando o olho do paciente é muito alongado. Como consequência a imagem dos objetos que entram em nossos olhos através da pupila não consegue chegar até a retina e acaba por ser focalizada um pouco antes da mesma.
  • Refracional ou de curvatura: ocorre quando ou a córnea ou cristalino (lentes naturais de nossos olhos) possuem um alto poder refracional. Com isso os raios luminosos convergem de maneira intensa, fazendo com que a imagem dos objetos que entram em nossos olhos seja focalizada antes de chegar a retina.
  • Ambiental e genética: estudos já comprovaram que o hábito de crianças verem coisas muito pequenas e de muito perto, em movimento ou com pouca iluminação (como tablets, videogames, smartphones, etc), causa um esforço acomodativo muito grande. Com isso, contribui para o desenvolvimento da miopia, principalmente se a criança possui alguém na família com esse distúrbio (fator hereditário-genético).

Tratamentos e Cirurgias de Miopia

A miopia pode ser corrigida através de lentes corretivas de óculos ou lentes de contato. Porém, é válido comentarmos que esses recursos são apenas paliativos, pois somente enquanto estão sendo utilizados é que possuem o poder de corrigir a miopia. Vale a pena ressaltar também que essas lentes não possuem o poder de freiar ou estacionar o grau do paciente. Ou seja, a miopia irá diminuir, estabilizar ou aumentar independente do uso ou não das lentes corretivas.

O tratamento consiste na prescrição de lentes corretivas de óculos ou lentes de contato (lentes divergentes ou côncavas). Essas duas modalidades citadas anteriormente são consideradas paliativas, uma vez que somente possuem efeito enquanto estiverem sendo utilizados (ao serem retirados os óculos ou as lentes de contato, a miopia não estará mais sendo corrigida).

O tratamento definitivo de correção da miopia consiste na cirurgia para miopia a laser através das técnicas de cirurgia refrativa LASIK ou PRK. Essa cirurgia é considerada simples, sem necessidade de internação em hospital. Consiste no aplanamento da córnea através do laser, corrigindo o grau da miopia e consequentemente normalizando a visão.

Tanto através das lentes corretivas dos óculos ou lentes de contato, quanto pela cirurgia refrativa de miopia a laser ou cirurgia corretiva de miopia a laser, o objetivo é o mesmo: redirecionar a imagem para que seja formada na retina (relembrando que no míope a imagem é formada antes da retina, sendo esse o motivo da visão embaçada).

Dúvidas sobre Miopia

Os principais sintomas incluem:

  • A visão de objetos desfocados e embaçados à distância, como por exemplo a dificuldade de enxergar o número do ônibus que está chegando ao ponto;
  • A capacidade de enxergar objetos próximos com muita nitidez;
  • A necessidade de apertar os olhos ou fechar as pálpebras para obter uma imagem menos embaçada para longe;
  • Sensibilidade a luz em locais muito iluminados, dores de cabeça e nos olhos frequentes. Além disso pode ocorrer dificuldade de dirigir a noite e em alguns casos lacrimejamento excessivo.

Não, infelizmente não há prevenção para a miopia. No entanto, alguns hábitos estão relacionados ao desenvolvimento e ao aumento da miopia, tais como:

  • Atividades visuais para perto muito intensas (celular, tablets, videogames, leitura, escrita);
  • Menor tempo de exposição das crianças a atividades ao ar livre.

Por outro lado, o contrário parece ser verdadeiro também. Há estudos que relacionam atividades de crianças ao ar livre a menor chance de miopia na vida adulta.

Pacientes que possuem um grau de miopia alto (maior do que 6 graus) possuem um maior risco de descolamento de retina do que a população normal. Isso ocorre pois como o paciente alto míope possui um olho grande, a sua retina fica esgarçada e esticada, já que ela não acompanha o crescimento do olho. Para ficar mais fácil de entender, seria como colocar uma camisa tamanho P (a camisa P seria a “retina”) num corpo de uma pessoa de 150 kg e 2 metros de altura (a pessoa de 150 kg e 2 metros seria o “olho grande”). Ou seja, a camisa (“retina”) pode esgarçar, descosturar, romper ou rasgar.

É esse o risco dos pacientes alto míopes: possuírem roturas ou rasgões em sua retina periférica e evoluírem com descolamento de retina.

Por isso, é mandatório a realização do exame de mapeamento de retina em todos os pacientes alto míopes pelo menos uma vez a cada ano, a fim de prevenir essas lesões e impedir que ocorra o descolamento de retina.

Caso o paciente míope perceba em seu campo de visão a presença de opacidades pretas e sujeiras (moscas volantes), flashes de luz (fotopsias) ou uma mancha preta repentina, deve imediatamente se dirigir a um serviço oftalmológico especializado, devendo ser prontamente avaliada sua retina. Isso porque pode ter ocorrido uma rotura, rasgão ou até mesmo um descolamento de retina.

Portanto, pelo fato de o paciente míope possuir um olho mais frágil e consequente um maior risco de descolar a retina do que a população geral, esse paciente deve evitar a qualquer custo pancadas e traumas em seu olho e esportes que possam o expor a esse tipo de situações (MMA, boxe, futebol, karate, etc).

Os riscos da cirurgia para miopia são mínimos (principalmente levando-se em conta o grande benefício que pode causar). Isso é verdadeiro desde que tenham sido feitos todos os exames pré-operatórios corretamente e se tenha todos os cuidados na preparação do paciente e do ambiente de centro cirúrgico.

A principal complicação da cirurgia de correção de miopia (se é que podemos chamar de complicação) é a não correção total do grau após a cirurgia, ocorrendo uma hipo ou hipercorreção. Esse problema pode ser resolvido através de um retoque após alguns meses do procedimento anterior, caso o médico cirurgião avalie necessário ou possível. É importante ressaltar que nem sempre é possível realizar o “retoque”, o que dependerá da situação da córnea após o procedimento inicial.

Outros tipos de complicações da cirurgia a laser envolvem:

  • O risco de infecção após o procedimento. Por isso é preconizado o uso de colírios antibióticos logo após a cirurgia refrativa, sendo esse risco extremamente baixo);
  • Problemas na cicatrização da córnea nos meses seguintes a cirurgia refrativa a laser. Caso isso ocorra , tal complicação poderá ser tratada com a aplicação de colírios específicos pelo seu especialista;
  • Ofuscamento ou visão de halos (glare), principalmente ao dirigir a noite. Vale ressaltar que esse sintoma costuma sumir em algumas semanas e no mais tardar em meses;
  • Ressecamento ocular nas semanas/meses seguintes a cirurgia refrativa. Caso isso ocorra, poderá ser corrigido com o uso de colírios lubrificantes até que a lubrificação do olho volte ao normal após algumas semanas ou meses.

Vale ressaltar que todos esses riscos podem ser minimizados ou até mesmo neutralizados através de uma avaliação pré-operatória minuciosa. Portanto, a cirurgia refrativa de miopia a laser é considerada na literatura médica como uma cirurgia bastante segura e confiável.

Sim, existe. Não é aconselhável realizar a operação de miopia quando o grau do paciente é igual ou menor do que 0,75, apesar de existir algumas exceções a essa regra.

Sim, a correção refrativa a laser é indicada para pacientes acima de 18 anos.