Cirurgia de blefaroplastia: o que é e como ela auxilia no rejuvenescimento do rosto?

Uma foto de perfil mostrando o olho azul de uma pessoa

Mais do que um procedimento estético, a cirurgia de blefaroplastia ajuda a restaurar o campo de visão e a autoestima de pacientes com problemas nas pálpebras.

A cirurgia de blefaroplastia é um procedimento que se tornou conhecido por melhorar a aparência das pálpebras, um dos primeiros locais a sofrer os sinais do envelhecimento.

Isso ocorre porque a região costuma acumular bastante gordura. Com o passar dos anos, a pele vai perdendo colágeno e, por isso, a área começa a apresentar flacidez e aparência enrugada.

Por amenizar esses problemas, a cirurgia promove o rejuvenescimento ocular e proporciona um aumento muito grande da autoestima dos pacientes. 

No entanto, a função desse tipo de procedimento vai além da estética. Afinal, essa cirurgia também pode restaurar o campo visual de pacientes que sofrem com alguns problemas oculares, melhorando sua visão e qualidade de vida.

Apesar das vantagens desse procedimento, muita gente ainda desconhece quais as indicações, complicações e quais os cuidados pré e pós-operatório da blefaroplastia.

Pensando nisso, neste artigo, explicaremos tudo o que você precisa saber sobre a blefaroplastia e como escolher um profissional capacitado para realizar essa operação.

O que é a cirurgia de blefaroplastia?

A cirurgia de blefaroplastia é um procedimento realizado para remover o excesso de pele e gordura presente nas pálpebras. Além dessa remoção, a cirurgia também permite reposicionamento das pálpebras. 

O objetivo é melhorar a aparência da pele flácida que cobre os olhos, além das “bolsinhas” que acabam se formando sob a região. Como resultado, o procedimento ajuda a reduzir a flacidez e a amenizar a aparência cansada e envelhecida do paciente. 

Além disso, ele pode ajudar a recuperar a visão de pacientes que possuem as pálpebras superiores muito caídas. Nesses casos específicos, pode haver inclusive perda do campo visual devido ao recobrimento dos olhos pelo excesso de pele e gordura da pálpebra superior. 

Por conta desses benefícios, a blefaroplastia também é conhecida como cirurgia plástica das pálpebras e considerada um procedimento que oferece tanto benefícios funcionais quanto estéticos.

Para quem a cirurgia é indicada?

O procedimento pode ser realizado para duas finalidades diferentes: funcional e estética. Portanto, ele é indicado para dois grupos de pessoas distintas.

O primeiro é composto por pessoas que desejam melhorar e restaurar os tecidos da região da pálpebra, cuja pele pode cair em função de questões genéticas ou problemas de saúde. 

Nesse grupo estão inclusos pacientes diagnosticados com bolsa de gordura na pálpebra inferior, ptose palpebral e xantelasma (bola de colesterol que pode se formar na pálpebra).

O segundo grupo é composto por pessoas que buscam o rejuvenescimento facial, ou seja, por pessoas que desejam diminuir os efeitos do processo natural de envelhecimento do rosto, como o aparecimento de rugas e bolsas sob os olhos.

Nos dois casos, o procedimento pode ser realizado em homens e mulheres a partir dos 18 anos, desde que fique comprovada a necessidade de fazer a cirurgia.

Quando a cirurgia não é indicada?

Apesar da sua indicação estética, a cirurgia de blefaroplastia não elimina olheiras crônicas. Além disso, ela não consegue remover pequenas rugas que surgem ao redor dos olhos nem tem a capacidade de elevar as sobrancelhas. 

Portanto, o procedimento não é indicado nesses casos. Para tratar esses problemas, é necessário combinar outros procedimentos cirúrgicos, como rinoplastia, lifting facial e lifting de sobrancelhas.

Além desses casos, a cirurgia pode ser contraindicada para pacientes que possuam patologias que possam atrapalhar o procedimento, como doenças oculares graves.

Quais são os tipos de cirurgia de blefaroplastia?

Dependendo da região da pálpebra que será operada, a cirurgia pode ser classificada em três tipos:

Blefaroplastia superior

Nesse caso, o procedimento remove todo o excesso de pele, gordura ou músculo presente nas pálpebras superiores. Para isso, o médico realiza incisões ao longo das dobras naturais da pálpebra. Por esse motivo, a cicatriz do procedimento fica escondida.

Além de melhorar a aparência de inchaço dessa parte dos olhos, essa cirurgia retira a pele flácida que cobre as dobras ou que perturba um contorno mais natural da pálpebra superior.

Blefaroplastia inferior

Na blefaroplastia inferior, o objetivo é remover o excesso de gordura, pele e linhas finas que podem surgir nessa região dos olhos. Para isso, o médico retira ou reposiciona a gordura orbital, permitindo o tratamento de bolsas e a queda de pele sob as pálpebras. 

Nesse caso, o procedimento pode ocorrer via transconjuntival ou com incisão, indicado quando é preciso resolver gordura e pele em excesso.

Blefaroplastia total

Nesse caso, o procedimento é realizado tanto na pálpebra superior quanto na inferior. Por isso, ele é chamado de blefaroplastia total ou completa.

Como o paciente deve se preparar para a cirurgia?

Antes da realização do procedimento, é necessária uma preparação simples. Além de uma avaliação médica detalhada, o paciente deve realizar alguns exames laboratoriais, como hemograma e coagulograma.

Geralmente, pacientes fumantes são aconselhados a abandonar o cigarro alguns meses antes da realização do procedimento. O oftalmologista também pode recomendar a suspensão de uso de alguns medicamentos antes da cirurgia, como anticoagulantes. 

Além dessas recomendações, o médico pode passar outras orientações ao paciente de acordo com o seu caso clínico. 

Por isso, é fundamental ficar atento às suas instruções e, caso de dúvida, entrar em contato com o médico responsável pela cirurgia antes de fazer o procedimento.

Como a cirurgia de blefaroplastia é realizada?

A cirurgia é simples, indolor e exige a aplicação de anestesia local. O processo realizado varia conforme o tipo de blefaroplastia que o paciente precisa fazer. 

No caso da blefaroplastia superior, o médico remove uma dobra horizontal de pele. Por isso, a cicatriz produzida pela incisão fica praticamente “invisível”.

Já na pálpebra inferior, o procedimento pode ser feito via transconjuntival, sem corte, ou por via cutânea, quando a remoção de pele é realizada por meio de uma incisão na região abaixo dos cílios. Assim, a cicatriz também fica encoberta.

Dependendo da complexidade do caso, a duração da cirurgia pode variar entre 45 minutos e 1,5 hora. Vale lembrar que o procedimento é realizado em ambiente ambulatorial, ou seja, hospitalar, sendo que o paciente não precisa ser internado. Por esse motivo, ele pode voltar para casa no mesmo dia em que a cirurgia será realizada.

O que esperar do resultado?

O resultado da cirurgia das pálpebras começa a ficar evidente somente depois da redução do inchaço e dos hematomas na região, efeitos colaterais comuns desse tipo de cirurgia. 

Geralmente, esses sintomas desaparecem uma semana após a realização do procedimento, mas esse período pode ser maior dependendo do paciente. O resultado completo da cirurgia exige a cicatrização total da região, o que pode levar de 3 a 6 meses.

Diante desse quadro, é comum que o paciente fique ansioso pelos resultados. No entanto, é importante entender e respeitar o tempo de recuperação pós-cirurgia. 

Por isso, o diálogo e o alinhamento de expectativas entre médico e paciente são fundamentais antes e depois do procedimento. 

Quais as complicações e efeitos colaterais que a cirurgia de blefaroplastia pode causar?

As complicações da blefaroplastia são baixas, já que a cirurgia é considerada simples e pouco invasiva. Por isso, complicações são muito incomuns nesse tipo de procedimento e, quando ocorrem, em sua maioria, são pequenas e transitórias.

Geralmente, pacientes submetidos a essa cirurgia desenvolvem edema local, pequenas manchas ou hematomas, sintomas que desaparecem uma semana depois do procedimento. 

Nas primeiras semanas depois após o procedimento, o paciente também pode apresentar mudanças na visão e sentir um aumento da sensibilidade à luz. Esses processos são temporários e desaparecem em pouco tempo.

Além desses problemas, eles podem apresentar conjuntivite, dor intensa, visão embaçada, disfunção nas pálpebras, sangramento, olhos secos, entre outros sintomas.

Em casos muito raros, o paciente pode necessitar de uma nova abordagem cirúrgica, na qual serão corrigidos um ectrópio (pálpebra para fora) ou uma ptose palpebral (pálpebra caída).

Para evitar complicações, o paciente deve seguir os cuidados pré e pós-operatório da blefaroplastia que foram recomendados pelo oftalmologista. 

Além disso, ele precisa fazer o acompanhamento pós-operatório e, caso identifique alguma anormalidade ou tenha alguma dúvida, entre em contato com o médico responsável pelo procedimento.

Como é a recuperação e quais os cuidados pós-operatórios?

A recuperação da cirurgia de blefaroplastia pode levar de 3 a 6 meses, conforme explicado. Nesse período, o paciente precisa seguir várias recomendações e cuidados essenciais para assegurar uma boa cicatrização e recuperação pós-cirurgia.

Ao longo do primeiro mês de pós-cirúrgico, o paciente deve usar óculos escuros para se proteger dos raios UV, uma vez que o acessório é fundamental na prevenção do surgimento de manchas indesejadas. 

O paciente também pode ser aconselhado a evitar a exposição direta ao sol e evitar o uso de lentes de contato nesse período.

Se o paciente estiver sentindo muita dor e o edema ao redor dos olhos estiver muito evidente, é recomendado o uso de compressas frias, que serão aplicadas no contorno dos olhos segundo a orientação do cirurgião.

O paciente também pode ficar com a sensação de pálpebras secas, ardência e de coceira no local do procedimento. Nesses casos, o médico pode recomendar a aplicação de colírios específicos. 

Caso ele sinta a sensação de pálpebras apertadas e doloridas, o oftalmologista também pode prescrever o uso de analgésicos.

Além desses cuidados, o paciente também pode ser aconselhado a higienizar o local com água e sabonete neutro, evitar a realização de atividades físicas, fazer repouso e evitar o consumo de bebidas alcoólicas e cigarros durante o processo de recuperação.

Por que a cirurgia de blefaroplastia deve ser feita por um oftalmologista?

Embora outros profissionais realizem a cirurgia da blefaroplastia, apenas um cirurgião oftalmologista é capacitado para avaliar a condição do paciente considerando fatores estéticos e funcionais.

Afinal, o procedimento é realizado em uma região extremamente sensível e complexa, próximo ao globo ocular. Por isso, é essencial que o profissional responsável pelo procedimento considere possíveis problemas de visão relacionados ao paciente ou a cirurgia. 

Portanto, quem deseja fazer esse tipo de procedimento precisa procurar profissionais qualificados e ficar às qualificações do oftalmologista para a realização dessa operação. 

Ficou com alguma dúvida ou precisa de um atendimento especializado? Entre em contato com a equipe da Clínica de Oftalmologia Integrada e agende já sua consulta!

Um banner com o link do whatsapp da clínica

Dr. Ricardo Filippo

Dr. Ricardo Filippo

CRM: 5281096-7 | RQE: 17512. Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Durante sua vida acadêmica, participou de dezenas de congressos e simpósios, no Brasil e no exterior, e ministrou diversas aulas sobre Oftalmologia. Veja informações sobre sua experiência na área.
Mulher sorrindo usando o computador de óculos

O que é a falsa miopia?

A falsa miopia é um problema ocular que afeta de forma temporária a capacidade da pessoa enxergar objetos distantes. Veja quais os sintomas dessa condição

Imagem de um teste de diabetes sendo realizado na mão

Como a diabetes pode afetar a visão?

A diabetes afeta a visão quando o nível de glicose do sangue está alto, provocando alterações oculares que podem causar o desenvolvimento de doenças como

Comentários