Anisometropia: o que é, causas e tratamento

Cara de homem branco com olhos azuis

A anisometropia pode ocorrer em qualquer idade, podendo ser congênita, ou seja, a pessoa nascer com essa condição, ou ser adquirida mais tarde na vida. Entenda o que é, quais causas e tratamento.

Os problemas visuais são uma condição comum em todo o mundo, afetando milhões de pessoas de todas as idades. Mas eles podem ter um impacto significativo na qualidade de vida, limitando a capacidade de realizar tarefas diárias e afetando a saúde mental e emocional.

Entre os diversos problemas visuais, a anisometropia é uma condição oftalmológica que pode levar a uma visão distorcida e outros sintomas desconfortáveis.

Neste artigo, você vai entender o que é a anisometropia, os sintomas, causas e tratamentos disponíveis para essa condição.

O que é anisometropia?

Anisometropia é uma condição oftalmológica em que há uma diferença significativa na refratividade entre os olhos de uma pessoa. Isso significa que um olho tem uma necessidade de correção de grau diferente do outro, resultando em uma visão desigual entre os dois olhos.

A anisometropia pode ocorrer em qualquer idade, podendo ser congênita, ou seja, a pessoa nascer com essa condição, ou pode ser adquirida mais tarde na vida.

Ela pode causar uma variedade de problemas, incluindo visão borrada, fadiga ocular, dores de cabeça e até mesmo estrabismo (desalinhamento dos olhos).

É muito importante que a anisometropia seja diagnosticada e tratada corretamente para garantir uma visão clara e saudável.

O que é antimetropia?

Antimetropia é outra condição oftalmológica, porém rara, em que um olho é míope e o outro é hipermetrope. Em outras palavras, há uma grande diferença de grau entre os dois olhos, mas a diferença é oposta àquela encontrada na anisometropia.

Geralmente, a antimetropia é congênita. A causa exata dela ainda é desconhecida, mas acredita-se que fatores genéticos possam estar envolvidos.

Assim como na anisometropia, a antimetropia pode causar problemas de visão, incluindo visão borrada, fadiga ocular e dores de cabeça. Também pode levar a uma diminuição da percepção de profundidade e do campo visual, o que pode afetar a capacidade de realizar tarefas cotidianas, como dirigir ou praticar esportes.

O tratamento para a antimetropia geralmente envolve a prescrição de óculos ou lentes de contato para corrigir a diferença de grau entre os dois olhos. Em alguns casos, a cirurgia de refrativa pode ser uma opção, mas é importante discutir as opções de tratamento com um oftalmologista para determinar qual é a melhor opção para cada caso específico.

O que causa a anisometropia?

A anisometropia pode ter diversas causas, incluindo fatores genéticos, trauma ocular, doenças oculares e até mesmo uso prolongado de óculos ou lentes de contato com prescrição inadequada. Algumas das principais causas da anisometropia são:

  • Fatores genéticos: A anisometropia pode ser hereditária e transmitida de pais para filhos, especialmente quando há histórico familiar de problemas visuais.
  • Trauma ocular: Lesões nos olhos, como fraturas da órbita, podem causar danos na córnea, cristalino ou retina, resultando em diferenças no grau refrativo entre os olhos.
  • Doenças oculares: Condições como catarata, glaucoma, ceratocone, entre outras, podem afetar a curvatura da córnea ou a forma do cristalino, levando a diferenças no grau refrativo entre os olhos.
  • Cirurgias oculares prévias: Algumas cirurgias oculares, como a cirurgia de catarata ou a cirurgia refrativa, podem causar diferenças no grau refrativo entre os olhos.
  • Uso prolongado de óculos ou lentes de contato com prescrição inadequada: O uso prolongado de óculos ou lentes de contato com prescrição inadequada pode levar a uma adaptação incorreta do sistema visual, resultando em diferenças no grau refrativo entre os olhos.

Quais os tipos de anisometropias?

Existem diferentes tipos de anisometropia, que podem ser classificados conforme o erro refrativo presente em cada olho. Veja quais são os principais tipos:

Anisometropia Miópica

Acontece quando um olho tem um grau mais alto de miopia do que o outro. Isso significa que o olho afetado tem dificuldade em focar objetos distantes, e a pessoa pode precisar se aproximar dos objetos para enxergá-los com clareza.

A anisometropia miópica é causada pela diferença na forma do globo ocular ou do cristalino em cada olho. Por exemplo, um olho pode ser mais alongado do que o outro, o que pode afetar a capacidade do olho de focalizar a luz na retina.

Anisometropia Hipermetrópica

Nesse tipo, um olho tem um grau mais alto de hipermetropia do que o outro. Isso significa que o olho afetado tem dificuldade em focalizar objetos próximos, e a pessoa pode ter problemas de visão de perto.

A anisometropia hipermetrópica também é causada pela diferença na forma do globo ocular ou do cristalino em cada olho. Nesse caso, um olho pode ser mais curto do que o outro, o que pode afetar a capacidade do olho de focalizar a luz na retina.

Leia também: Hipermetropia: causas, tratamentos e sintomas

Anisometropia Astigmática

Na anisometropia astigmática, um olho tem um grau mais alto de astigmatismo do que o outro. O astigmatismo é um erro refrativo que ocorre quando a córnea ou o cristalino do olho apresenta uma forma irregular, resultando em uma visão distorcida.

Anisometropia Composta

Já na anisometropia composta um olho apresenta uma combinação de diferentes erros refrativos, como miopia, hipermetropia e astigmatismo, em graus diferentes do outro olho.

É normal ter grau diferente nos olhos?

É comum ter uma leve diferença no grau refrativo entre os olhos, chamada de anisometropia fisiológica. Essa diferença é considerada normal quando o grau refrativo entre os olhos é menor que 1 dioptria, o que geralmente não causa problemas visuais significativos.

No entanto, quando a diferença no grau refrativo entre os olhos é maior que 1 dioptria, pode haver uma variedade de sintomas, como visão distorcida, fadiga ocular, dores de cabeça e dificuldade em enxergar objetos em diferentes distâncias.

Essa condição é chamada de anisometropia patológica e pode levar a problemas visuais mais graves, como ambliopia (olho preguiçoso) e estrabismo.

Portanto, é importante realizar exames oftalmológicos regulares para detectar e corrigir quaisquer diferenças no grau refrativo entre os olhos.

Quais são os sintomas?

Dependendo do tipo de anisometropia, os sintomas podem ser diferentes. Veja os principais:

Anisometropia Miópica

Os sintomas da anisometropia miópica podem incluir visão turva, fadiga ocular, dores de cabeça e dificuldade em enxergar objetos distantes.

Anisometropia Hipermetrópica

Os sintomas da anisometropia hipermetrópica podem incluir visão turva, fadiga ocular, dores de cabeça e dificuldade em enxergar objetos próximos.

Anisometropia Astigmática

Os sintomas podem incluir visão embaçada, distorcida ou dupla, fadiga ocular e dores de cabeça.

Anisometropia Composta

Os sintomas da anisometropia composta podem incluir visão turva, distorcida ou dupla, fadiga ocular, dores de cabeça e dificuldade em enxergar objetos em diferentes distâncias.

Como é feito o diagnóstico da anisometropia?

O diagnóstico da anisometropia é feito por um oftalmologista através de um exame oftalmológico completo, que pode incluir:

  • Refração: o oftalmologista usa uma série de lentes para medir o grau refrativo dos olhos e determinar a diferença entre os dois.
  • Acuidade visual: é realizado um teste de acuidade visual para determinar a nitidez da visão de cada olho.
  • Biomicroscopia: um microscópio é usado para examinar a córnea, a conjuntiva e a parte anterior do olho.
  • Fundoscopia: o oftalmologista examina o fundo do olho para detectar quaisquer anomalias, como lesões, tumores ou doenças oculares.
  • Teste de visão binocular: este teste avalia a capacidade dos olhos de trabalharem juntos para produzir uma única imagem.

Se o oftalmologista detectar uma diferença significativa no grau refrativo entre os olhos durante o exame, pode ser necessário realizar testes adicionais para determinar a causa da anisometropia.

Esses testes podem incluir a análise da curvatura da córnea, a medição do comprimento axial dos olhos e a avaliação do sistema visual para detectar outras condições, como ambliopia ou estrabismo.

Com base nos resultados do exame, o oftalmologista pode prescrever óculos ou lentes de contato com diferentes graus refrativos para corrigir a diferença entre os olhos e melhorar a visão.

Como é o tratamento?

Em todos os casos, o tratamento pode incluir o uso de óculos ou lentes de contato com prescrições diferentes para cada olho, para corrigir a diferença de grau refrativo. Em casos mais graves, pode ser necessária a cirurgia refrativa.

É importante consultar um oftalmologista para um diagnóstico preciso e para discutir as opções de tratamento disponíveis para a anisometropia.

A correção adequada da diferença de grau refrativo entre os olhos é importante para prevenir problemas visuais, como ambliopia (olho preguiçoso) e estrabismo.

A anisometropia é uma condição oftalmológica comum, mas que pode levar a problemas visuais, como visão distorcida, dores de cabeça, fadiga ocular e ainda doenças mais graves como a ambliopia e estrabismo.

Se você suspeita que pode ter anisometropia, agende uma consulta com um oftalmologista o mais breve possível. Lembre-se de que cuidar da saúde dos seus olhos é essencial para manter uma boa qualidade de vida e desempenho nas atividades diárias.

Dr. Ricardo Filippo

Dr. Ricardo Filippo

CRM: 5281096-7 | RQE: 17512. Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Durante sua vida acadêmica, participou de dezenas de congressos e simpósios, no Brasil e no exterior, e ministrou diversas aulas sobre Oftalmologia. Veja informações sobre sua experiência na área.

Comentários