Conjuntivite em criança: o que fazer para lidar com ela

Criança de olhos verdes com sintomas de conjuntivite

Saber como lidar com conjuntivite em crianças é importante para que os pais estejam preparados caso seus filhos passem por essa situação. 

A conjuntivite trata-se de uma inflamação da conjuntiva, que é a membrana que reveste o interior das pálpebras e cobre o olho. 

Geralmente, é fácil desconfiar quando alguém está com conjuntivite, já que a condição possui sintomas característicos, como: olho vermelho e sensação de areia nos olhos, por exemplo. 

Assim como acontece com adultos, a conjuntivite em criança também pode ser provocada por diferentes motivos, seja por vírus, bactéria ou alergia. O que algumas pessoas não sabem é que a condição é muito comum em crianças, inclusive em bebês. 

Geralmente, a condição é contagiosa, o que significa que uma criança pode facilmente contaminar muitas outras que frequentam a mesma escola, por exemplo.

É importante deixar claro que, por mais que os sintomas da conjuntivite sejam desconfortáveis, esse tipo de infecção geralmente não é grave. 

Apesar disso, ao desconfiar de sinais de conjuntivite infantil, é muito importante saber como lidar com a situação e como manter a saúde dos olhos

Neste artigo, falaremos mais sobre conjuntivite em crianças e bebês, quais são os seus principais sinais e como tratá-la. 

Conjuntivite em bebês 

A conjuntivite em bebês pode atingir recém nascidos, e também é conhecida como conjuntivite neonatal. 

Quando o assunto é neonatal, existem os seguintes tipos de conjuntivite: 

Conjuntivite química

Este tipo de condição é provocada devido a irritação causada por colírios destinados a recém-nascidos. Eles são utilizados para ajudar a prevenir uma infecção bacteriana. 

Quando o bebê possui essa conjuntivite, os seus olhos costumam ficar inflamados e vermelhos, e isso acontece depois de algumas horas que o colírio é aplicado. 

Nesse caso, os sintomas costumam durar por cerca de 2 a 4 dias e, geralmente, a criança não precisa de tratamento. 

Conjuntivite gonocócica

Este outro tipo de conjuntivite ocorre devido a uma bactéria chamada Neisseria Gonorrhoeae  — a gonorreia é provocada por essa bactéria. Um recém nascido pode pegar esse tipo de bactéria durante o parto, caso a mãe esteja infectada. 

Para evitar esse tipo de conjuntivite, é importante que ocorra o uso de colírio em recém-nascidos. 

Os sintomas da conjuntivite gonocócica costumam aparecer de 2 a 5 dias depois do parto e os sintomas comuns são: vermelhidão, inchaço nos olhos e fluido espesso vazando das pálpebras. 

O tratamento para esse tipo de conjuntivite geralmente inclui o uso de antibióticos intravenosos. 

Conjuntivite de inclusão

Esse é o tipo mais comum de conjuntivite provocada por infecção bacteriana em bebês, sendo provocada pela chlamydia trachomatis (bactéria).

Os sintomas para esse tipo de condição são iguais aos de outras conjuntivites, incluindo: olhos vermelhos, pálpebras inchadas e o vazamento de fluidos. 

Os sintomas acima costumam surgir de 5 a 14 dias depois do parto e o tratamento costuma ser feito com antibióticos administrados por via oral. 

Infeção por outro tipo de bactéria

Depois dos primeiros dias de vida (uma semana, mais ou menos), outras bactérias podem provocar conjuntivite no recém-nascido. Os olhos do bebê podem ficar vermelhos, com inchaço e ter algum tipo de fluido. 

O tratamento vai depender muito do tipo de bactéria que provocou a infecção, mas, normalmente, inclui gotas ou pomadas antibióticas, higiene correta dos olhos — principalmente ao tocá-los — e compressas quentes. 

Leia também: Como lavar os olhos: dicas para cuidar bem da sua visão

Atenção no caso de conjuntivite provocada por infecção

Caso a condição seja provocada por uma infeção, é muito importante que os pais saibam que a condição pode se espalhar de um olho para o outro. 

Isso acontece porque a criança ou os pais podem tocar o olho infectado e tocar o outro que está saudável. 

Além disso, a infecção também pode ser passada para outras pessoas. Mesmo com o início do tratamento, o fluido que sai do olho continua contagioso por 13 a 48 horas.

Conjuntivite em crianças: principais causas

Agora que você já entendeu como funciona a conjuntivite em bebês, é importante destacar que em crianças maiores a conjuntivite também pode ser provocada por diferentes motivos. 

As causas mais comuns são as seguintes: 

  • bactérias;
  • vírus (como Adenovírus e Herpes);
  • produtos químicos em colírios;
  • alergias. 

Sintomas da conjuntivite em crianças e bebês

Já citamos brevemente quais são os sintomas mais comuns de conjuntivite infantil. Mas, de modo geral, normalmente eles incluem: 

  • olhos irritados e com coceira;
  • inchaço nas pálpebras;
  • olhos vermelhos;
  • dor de grau leve ao olhar para alguma luz;
  • sensação de queimação;
  • pálpebras grudadas pela manhã; 
  • vazamento de fluidos;
  • no caso de alergias, espirros e coriza. 

Dependendo do tipo de conjuntivite, pode ser que os sintomas confundam os pais fazendo com que eles não percebam qual é a condição que está afetando a criança. 

Portanto, a melhor forma de identificar a conjuntivite em criança é levando seu filho ao médico para obter um diagnóstico. 

Como a conjuntivite é diagnosticada em crianças

Ao ter qualquer desconfiança que a criança está com conjuntivite, é fundamental que os pais levem-a ao oftalmologista para que ela receba o diagnóstico e o tratamento ideal. 

Além de cuidar do seu filho, essa medida é importante para que o pequeno seja afastado de outras crianças e, dessa forma, evitar que a conjuntivite seja espalhada. 

No momento de diagnosticar a conjuntivite, provavelmente o médico perguntará sobre os sintomas e o histórico de saúde da criança. 

Ele também pode solicitar que algum exame oftalmológico seja feito e, em alguns casos, uma amostra do fluido que sai do olho pode ser colhida para ajudar na confirmação da condição. 

No que diz respeito ao tempo de duração dos sintomas, no caso de conjuntivite bacteriana, eles geralmente melhoram em 5 dias com o uso de antibióticos.

Já no caso da viral, o sintoma de vermelhidão nos olhos pode permanecer por até 21 dias. 

Como tratar conjuntivite em criança

O tratamento indicado para conjuntivite em crianças e bebês vai depender muito dos sintomas, idade e do estado geral de saúde. 

Também vai depender muito do tipo de conjuntivite infantil, por exemplo: 

  • A infeção bacteriana pode ser tratada com colírios antibióticos. 
  • A infecção viral normalmente não precisa de um tratamento. Porém, em alguns casos, podem ser utilizados colírios antibióticos para ajudar a prevenir que outra infeção surja.  
  • A infecção por herpes pode ser tratada com medicamentos aplicados via oral ou colírios. 

Caso a conjuntivite seja provocada por uma infecção, é muito importante lembrar que ela pode se espalhar de um olho para o outro, além de também passar facilmente para outras pessoas. 

Para ajudar a prevenir a propagação da conjuntivite, principalmente no caso de crianças, é muito importante lavar as mãos — tanto da criança quanto a de quem vai cuidar dela — frequentemente e por pelo menos 20 segundos. 

Por mais difícil que seja, também é importante fazer com que a criança não toque nos olhos. Além disso, também é importante trocar as toalhas de banho e de rosto diariamente e não deixar que mais ninguém utilize as mesmas que a criança. 

Por fim, a partir do momento que seu filho é diagnosticado com conjuntivite, é muito importante que ele se afaste de outras crianças para que não passe a infecção para elas. 

Procure o mais rápido possível por um oftalmologista

A conjuntivite em criança e bebê não costuma ser algo grave. No entanto, no caso da condição ser provocada por herpes, pode se tornar um problema sério. 

Se não for diagnosticada e tratada rapidamente, esse tipo de conjuntivite pode deixar cicatrizes no olho e até mesmo provocar a perda da visão. 

Por esse motivo, é muito importante que os pais procurem por um oftalmologista ao surgir qualquer sinal de problema no olho da criança ou para fazer um check-up oftalmológico

É comum que as pessoas tenham a seguinte dúvida: “como saber se estou com conjuntivite?”

A realidade é que somente um médico poderá diagnosticar essa e outras condições oculares e indicar o tratamento adequado para solucioná-las. 

Aqui na COI você conta com especialistas capacitados para atender não somente você, mas também o seu filho. 

Clique para saber mais sobre a clínica e aproveite para agendar uma consulta! 

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Ricardo Filippo

Ricardo Filippo

Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Durante sua vida acadêmica, participou de dezenas de congressos e simpósios, no Brasil e no exterior, e ministrou diversas aulas sobre Oftalmologia. Para mais informações sobre sua experiência na área, clique aqui.

Comentários