Qual é o preço da cirurgia de catarata?

calculando o preço da cirurgia de catarata

Qual é o preço da cirurgia de catarata?

A cirurgia de catarata não é segredo para ninguém, mas poucos conhecem o seu processo. Veja agora:

A catarata é uma condição bastante comum na população brasileira e mundial. De acordo com o Conselho Brasileiro de Oftalmologia, no Brasil, a incidência é de, aproximadamente, 120 mil casos por ano.

De forma resumida a catarata consiste no processo de opacificação do cristalino. O cristalino são as lentes naturais presentes nos nossos olhos e responsáveis pela focalização dos objetos e pessoas que enxergamos.

Por esse motivo, pacientes que sofrem com a doença acabam tendo sua visão prejudicada, enxergando cores desbotadas e imagens com pouca nitidez, além de apresentarem dificuldade para reconhecer pessoas e objetos que estejam mais afastados.

Trata-se de uma condição multifatorial, que pode ser decorrente tanto do envelhecimento natural dos olhos, como também de causas congênitas. A partir do momento que se torna sintomática, no entanto, a cirurgia de catarata já pode ser indicada.

O procedimento é muito importante para proporcionar uma melhora na qualidade de vida ao paciente. Sendo assim, o acompanhamento oftalmológico favorece o diagnóstico precoce e, se necessário, a indicação da cirurgia no momento mais adequado.

Muitos pacientes que precisam realizar o procedimento têm dúvidas em relação ao preço da cirurgia de catarata. Mais do que uma simples questão financeira, a necessidade de se informar sobre a intervenção é fundamental para que o paciente saiba quais são as opções que tem à sua disposição e se está pagando um preço justo pela solução que lhe foi oferecida.

Pensando nisso, elaboramos um conteúdo completo sobre o assunto. Continue a leitura e tire suas dúvidas!

Veja também: Olhos dos bebês lacrimejando e remelando: o que pode ser?

Como funciona a cirurgia de catarata?

A cirurgia da catarata é um procedimento rápido, seguro e que apresenta altas taxas de sucesso em todo o mundo. Afinal, trata-se de uma das técnicas oculares que mais têm se desenvolvido nos últimos anos.

Sendo altamente beneficiada pelos constantes avanços tecnológicos, atualmente, a operação tem duração aproximada de apenas 8 minutos.

Cerca de 30 minutos após a intervenção, o paciente recebe alta sem a necessidade de pontos ou curativos nos olhos. Apenas em alguns, é recomendado o uso de um tampão de gaze.

A cirurgia é feita sob anestesia local, com o uso de colírios anestésicos. Atualmente, a técnica mais comumente utilizada é a chamada facoemulsificação.

Nesse procedimento, o médico realiza uma microincisão no olho do paciente e, com o auxílio de uma sonda de ultrassom de alta precisão, remove o cristalino afetado pela catarata.

Uma vez retirado, o médico o substitui por lentes intraoculares, implantes fabricados com material artificial, transparente e com a gradação necessária para que a pessoa possa ter sua visão restabelecida.

Nesse sentido, a escolha das lentes mais adequadas vai depender da necessidade e finalidade da cirurgia, bem como da indicação do oftalmologia e, claro, da escolha que foi feita pelo próprio paciente. Basicamente, existem três tipos de lentes:

  • Monofocais:  É a opção mais em conta no mercado. Quando esse é o tipo escolhido, geralmente opta-se pela colocação de lentes que melhorem a visão de perto em um olho e de longe no outro.Desse modo, a combinação da visão de cada olho gera um resultado satisfatório. No entanto, é comum que o paciente necessite usar óculos após a cirurgia.
  • Bifocais: São lentes que permitem solucionar os problemas de visão tanto para curtas quanto para longas distâncias. Assim como as monofocais, é possível que o paciente tenha que seguir utilizando óculos após a operação.
  • Multifocais:  Também conhecidas como trifocais, trata-se da opção que garante o maior conforto visual ao paciente. As lentes multifocais solucionam, ao mesmo tempo, problemas relacionados à visão de perto, de longe e também intermediária.Por essas características, pacientes que optam pelas lentes multifocais não precisam, na maioria das vezes, utilizar óculos após a cirurgia.Vale destacar que cada lente possui um valor diferente, o que impacta diretamente no preço da cirurgia.

Qual o preço da cirurgia de catarata em 2020?

O preço da cirurgia de catarata está suscetível a uma série de fatores, como o quadro clínico de cada paciente, a necessidade de operar apenas um ou ambos os olhos, o profissional escolhido, entre outros.

No entanto, o fator que mais faz diferença no valor final é a escolha da lente intraocular que vai substituir o cristalino afetado.

Nesse sentido, por conta da tecnologia empregada e dos excelentes resultados que apresenta, as lentes multifocais costumam ser as mais caras.

Vale ainda lembrar que os planos de saúde costumam cobrir o tratamento para catarata. Porém, é comum que os convênios estabeleçam um teto para o valor gasto nas lentes intraoculares.

Como a tecnologia dos implantes é cada vez maior, é inevitável que alguns modelos de última geração sejam mais caros, e, infelizmente, nem todos os planos de saúde cobrem esses custos.

A real necessidade de submeter o paciente à cirurgia de catarata deve ser avaliada única e exclusivamente pelo médico oftalmologista.

Após a realização de todos os exames necessários, é possível determinar o grau que deve ser corrigido, a melhor opção de implantes para cada caso, bem como a urgência para a realização do procedimento.

A decisão final, porém, cabe ao paciente, uma vez que entendemos que há diversos aspectos pessoais a serem pesados antes de se bater o martelo.

Em geral, a cirurgia de catarata costuma variar entre R$ 3.500,00 e R$ 14.000,00, cada olho, a depender do tipo de lente intra-ocular empregada na cirurgia. Ou seja, quanto mais moderna é a lente utilizada, mais cara se torna a cirurgia.

É possível realizar a cirurgia de catarata pelo SUS?

Em 2004, a Política Nacional de Cirurgias Eletivas foi implementada pelo Ministério da Saúde. O objetivo era de aumentar a disponibilidade de determinados procedimentos no país, entre eles, a cirurgia de catarata.

No entanto, o tempo de espera para a realização do procedimento pelo SUS pode ser bastante grande. Em 2017, o Conselho Federal de Medicina (CFM) publicou um levantamento com dados relativos ao número de pacientes na lista de espera para cirurgia de catarata em todo o país.

De acordo com o CFM, 113.185 pacientes aguardam na fila, sendo o procedimento com o maior número de pessoas na espera.

Para ter acesso à cirurgia, é necessário ter o cartão do SUS e fazer o requerimento através de um médico. Com a solicitação em mãos, deve-se agendar o procedimento em um posto de saúde e aguardar na lista de espera.

Nesse ponto, é fundamental que o paciente avalie os riscos e o comprometimento da sua visão. Afinal, o avanço da condição pode resultar na diminuição progressiva da acuidade visual, além de aumentar as chances de acidentes e de cegueira definitiva.

Por que você deve procurar por um bom especialista

A fila de espera é apenas um dos detalhes que é preciso avaliar. É necessário analisar a reputação e experiência do médico responsável que realizará o procedimento, afinal a cirurgia de catarata ainda pode trazer riscos e complicações pós-operatórias, por vezes decorridas de uma operação mal executada.

Além disso, temos o péssimo hábito de postergar os cuidados com a saúde. Não corra este risco! Problemas que não são devidamente tratados podem evoluir para quadros mais graves, por isso é sempre importante procurar o acompanhamento médico adequado, e com a saúde dos olhos não é diferente.

Para encontrar um oftalmologista bem conceituado busque referências, pesquise, veja as avaliações de outros pacientes, observe o currículo e a especialidade do profissional.

O mesmo cuidado vale na hora de escolher uma clínica. Analise indicações e depoimentos de pessoas que já fizeram tratamentos no local, veja a reputação da instituição, conheça o corpo clínico, o nível de especialização e o histórico profissional dos médicos.

O preço da cirurgia de catarata pode ser considerado elevado por alguns pacientes. No entanto, é preciso frisar que saúde deve ser sempre uma prioridade, ainda mais quando nos referimos ao sentido mais importante do corpo humano. Lembre-se: sua saúde vem em primeiro lugar!

Como é o pós-operatório da cirurgia para catarata?

Vale destacar que, independentemente do estágio da doença, a cirurgia é indicada, não sendo necessário esperar a doença se agravar.

A indicação ocorre após consulta e diagnóstico feito por um médico oftalmologista, em acordo com o quadro de cada paciente.

Geralmente, os dois olhos são operados em épocas diferentes, garantindo a qualidade da visão e a boa recuperação.

Apesar do procedimento ser tranquilo e com índices de sucesso elevadíssimos, a cirurgia da catarata desperta muitas dúvidas nas pessoas.

Entre as dúvidas mais comuns, destacam-se aquelas em relação a possíveis complicações no pós-operatório.

Conheça as restrições do pós-operatório da cirurgia de catarata

Para garantir uma boa recuperação e reduzir ao máximo possíveis riscos que possam comprometer os resultados da cirurgia, é importante que o paciente siga à risca as recomendações da equipe médica.

Em geral, tais recomendações tratam-se apenas de tomar a medicação indicada e utilizar corretamente os colírios receitados.

No entanto, há também uma série de restrições a que a pessoa operada deve estar atenta. As principais são:

1. Evitar atividades físicas

Assim como acontece com qualquer cirurgia, é fundamental que o paciente respeite o período de recuperação estipulado pelo médico.

Nesse sentido, deve-se evitar a realização de quaisquer atividades físicas de maior intensidade. Além disso, é importante evitar carregar peso e baixar a cabeça, por exemplo.

Esse tipo de esforço aumenta o fluxo sanguíneo e pode trazer desconfortos ao paciente, alterar a pressão intraocular e até mesmo deslocar a lente intra-ocular.

2. Não coçar os olhos

A cicatrização da incisão para retirada do cristalino afetado pela catarata pode causar uma sensação de coceira no olho operado.

Porém, o paciente deve evitar mexer na região, garantindo a boa recuperação e a qualidade dos resultados da cirurgia.

3. Não dirigir no primeiro dia

Apesar de receber alta no mesmo dia, a pessoa que se submeteu ao procedimento de retirada da catarata não está autorizada a dirigir após a cirurgia.

Isso acontece porque, no primeiro dia, o olho operado ainda está se adaptando à colocação da lente intraocular e, assim, a visão do paciente ainda apresenta-se levemente turva.

Além disso, é comum que a pessoa saia com um tampão, para proteger a região da entrada de sujeira e de pequenos impactos.

4. Evitar entrar em piscinas e banheiros

Embora o paciente esteja liberado desde o início para tomar banho no chuveiro, é preciso evitar submergir-se em piscinas ou banheiras, por exemplo.

Isso é fundamental para reduzir o risco de infecções e consequentes complicações que podem ocorrer.

Quais as possíveis complicações que podem ocorrer no pós operatório?

Cirurgias são procedimentos invasivos e, como tais, estão sujeitas a complicações. Embora sejam muito raros, alguns problemas podem surgir no pós-operatório da cirurgia de catarata. São eles:

Edema Macular Cistóide

Trata-se de um processo inflamatório que leva a inchaços na região da mácula, localizada no fundo dos olhos. Essa complicação pode surgir no período de até 6 semanas após a realização da operação e seu principal sintoma é vista embaçada e a consequente redução da acuidade visual do paciente.

O tratamento é feito com uso de anti-inflamatórios e corticóides.

Edema de córnea

Em pacientes que já apresentavam alguma doença corneana antes da realização da cirurgia de catarata, a córnea também pode ser acometida por um processo inflamatório exagerado, resultando em seu inchaço e, como consequência, tornando a visão turva.

O tratamento é feito por meio do uso de colírios e o problema costuma sumir dentro de pouco dias.

Endoftalmite

Trata-se de uma infecção desencadeada pela entrada de micro-organismos no olho operado. A endoftalmite é uma condição bastante rara, mas que, se não receber o devido tratamento, é grave e deve ser tratada assim que for diagnosticada.

Dentre seus principais sintomas, estão dor, perda na qualidade visual, vermelhidão e inchaço das pálpebras.

O tratamento consiste no uso de colírios e outros antibióticos para controle da quadro infeccioso. Apesar de grave, o problema costuma ser controlado em poucos dias.

Descolamento da retina

Também considerado uma condição rara, o descolamento da retina é uma complicação grave e pode surgir anos após a realização da cirurgia de catarata.

Como sintomas, o paciente pode apresentar uma redução da acuidade visual, bem como passar a enxergar flashes de luz e as chamadas moscas volantes, que são manchas escuras que parecem se mover em frente aos olhos.

Para evitar o problema, são realizadas avaliações pré-operatórias com o objetivo de reduzir as chances de ocorrer o descolamento e também é feito o tratamento de possíveis lesões existentes na retina.

Cuidados que previnem as complicações após a cirurgia de catarata

Como comentamos, para uma plena recuperação, é essencial que o paciente siga todas as recomendações passadas pela equipe médica para evitar complicações e garantir que a cirurgia seja, de fato, bem sucedida.

Sendo assim, além das restrições que elencamos anteriormente, existem alguns cuidados que a pessoa operada deve tomar. Os principais são:

1. Usar os colírios indicados pelo médico

O pós-operatório da cirurgia de catarata é feito, basicamente, com o auxílio de colírios, sejam eles anti inflamatórios ou antibióticos.

Desse modo, é primordial que eles sejam aplicados corretamente, de modo a proteger os olhos de possíveis inflamações e infecções que podem levar a quadros mais graves.

Vale destacar que somente colírios receitados pelo oftalmologista devem ser utilizados, seguindo a indicação de posologia e duração da aplicação. Para o uso de qualquer outro medicamento fora da lista indicada, deve-se consultar o médico responsável.

2. Não usar maquiagem

Quem tem o hábito de usar maquiagem deve evitá-la por, pelo menos, 10 dias após a cirurgia. Certos produtos, como cosméticos em pó, podem causar irritações no olho operado, podendo também levar a contaminações e infecções.

3. Ter cuidado com a cabeça

Além de evitar gestos como baixar a cabeça, é preciso que paciente tenha atenção na hora de deitar-se. Durante o período de recuperação, indica-se que a pessoa durma de barriga para cima, com a cabeça levemente elevada.

Caso tenha o hábito de dormir de lado, o ideal é que o paciente deite-se sobre o lado oposto ao olho operado, evitando eventuais traumas.

A cirurgia da catarata é um procedimento altamente seguro e eficaz. As complicações que citamos ao longo do texto são bastante raras e, de uma maneira geral, o paciente que segue à risca as recomendações do oftalmologista recupera-se rapidamente e sem maiores problemas.

De fato, o grande risco não está na realização da cirurgia, mas sim no agravamento da doença, que, vale lembrar, pode levar à cegueira.

Por fim, vale ressaltar que o pós-cirúrgico da cirurgia de catarata é tão tranquilo que é possível comer normalmente (sem nenhum tipo de restrição alimentar), além de ler e trabalhar em frente ao computador.

Basta respeitar o período de descanso e a aplicação dos colírios para que a recuperação seja realizada com sucesso. Além disso, se algum problema surgir, você deverá visitar o oftalmologista para uma consulta.

Leia mais: Olhos inchados: entenda o que esse sintoma pode significar

Tratamento com a Clínica de Oftalmologia Integrada

Na Clínica de Oftalmologia Integrada, o tratamento é feito com tecnologia de última geração. A instituição conta com corpo clínico altamente qualificado, equipamentos modernos, centro cirúrgico próprio e muito bem estruturado.

Nela, você é tratado com respeito, humanidade e excelência no atendimento. Todos os profissionais estão preparados para examinar, diagnosticar e cuidar de qualquer problema oftalmológico, sempre priorizando o bem-estar do paciente.

Dentre os diversos tratamentos oferecidos, os mais procurados são cirurgia de catarata e cirurgia refrativa a laser — para casos de miopia, hipermetropia e astigmatismo.

Não adie mais os cuidados com a saúde dos seus olhos. Seja para realizar a cirurgia de catarata, seja para tratar qualquer outro problema oftalmológico, busque acompanhamento especializado e melhore a sua qualidade de vida.

__

Se você quiser saber ainda mais sobre catarata, você pode baixar gratuitamente o nosso Guia Definitivo da Catarata e tirar todas as suas dúvidas, ou ainda, agendar uma consulta com um de nossos especialistas em nossa clínica, localizada na Zona Oeste do Rio de Janeiro!

 

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Guilherme Quinellato

Guilherme Quinellato

Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Durante sua vida acadêmica, participou de dezenas de congressos e simpósios, no Brasil e no exterior, e ministrou diversas aulas sobre Oftalmologia. Para mais informações sobre sua experiência na área, clique aqui.

Comentários