O que é nistagmo e quais são os sintomas?

Um homem coçando seus olhos

O nistagmo é uma condição ocular rara caracterizada por movimentos involuntários e repetitivos dos olhos. O diagnóstico correto da origem desse problema é fundamental para orientar seu tratamento.

Dificuldade para focar imagens e sensação de que está em um constante terremoto. Esses são apenas alguns dos sintomas do nistagmo, condição ocular rara que pode causar prejuízos significativos à qualidade de vida dos seus portadores.

O nome desse problema vem do grego “nystagmos”, palavra que faz referência aos movimentos lentos que uma pessoa faz com a cabeça quando adormece sentada. Apesar de não estar relacionada ao sono, os movimentos realmente são um problema para quem é diagnosticado com nistagmo. 

No entanto, em vez da cabeça, essas oscilações desconfortáveis ocorrem apenas nos olhos. Isso pode comprometer tanto a saúde ocular e a capacidade visual da pessoa, como seu equilíbrio e capacidade de locomoção.

Neste artigo, explicaremos como esse distúrbio ocular raro funciona, quais as suas causas e como ela deve ser tratada.

O que é o nistagmo? 

O nistagmo é uma condição ocular caracterizada por movimentos involuntários, rápidos e repetitivos dos olhos. Esses movimentos variam de intensidade e podem ser identificados em apenas um ou nos dois olhos ao mesmo tempo. 

Por conta dessas características, pacientes diagnosticados com esse problema podem relatar a sensação de que estão com tremores oculares, “olhos dançantes” ou que realmente estão presenciando um terremoto. 

Quais os sintomas do nistagmo?

O principal sintoma desse distúrbio ocular é a redução da acuidade visual do indivíduo. Isso significa que esse problema prejudica sua capacidade para enxergar com clareza e nitidez. 

Além disso, essa condição também pode afetar a estabilidade visual e a percepção espacial, prejudicando o equilíbrio, a locomoção e a coordenação motora da pessoa. 

Tais sintomas ainda podem gerar outros problemas secundários, como fotofobia, tontura, náusea, dificuldade para enxergar no escuro e tendência a manter a cabeça inclinada. 

Por conta dessas características, o nistagmo pode prejudicar não só a saúde ocular do paciente, mas também sua locomoção, capacidade de fazer tarefas cotidianas, independência e qualidade de vida.  

Quais são os tipos de nistagmo?

O nistagmo pode ser classificado de três formas diferentes: em função da direção do movimento, da velocidade da oscilação e da origem do problema. 

Conheça abaixo os diferentes tipos desse problema de acordo com essas classificações.

Direção do movimento

Essa condição ocular pode ser classificada em quatro tipos de acordo com a direção do movimento dos olhos. Ela é chamada de horizontal quando os olhos se movem lateralmente, ou seja, de um lado para o outro. 

Quando esse movimento é realizado de cima para baixo, ele é classificado como vertical. No entanto, se a oscilação ocorre nas duas direções, ou seja, vertical e horizontal, ela é classificada como bilateral

Por fim, também é possível encontrar casos de nistagmo rotatório ou rotacional, quando os olhos se movimentam em círculos, formando um campo giratório. Por esse motivo, pessoas diagnosticadas com nistagmo rotacional têm mais chances de desenvolver problemas de desequilíbrio.

Em todos esses casos, as oscilações prejudicam a acuidade visual, já que impedem as pessoas diagnosticadas com esse problema de fixar os olhos em um objeto, mesmo quando ele está parado.

Velocidade da oscilação

O nistagmo também pode ser classificado em duas categorias distintas em função da velocidade dos movimentos dos olhos. 

Ele recebe o nome de nistagmo pendular quando é caracterizado por oscilações suaves e simétricas dos olhos, lembrando um pêndulo. Esses movimentos geralmente são mais lentos, menos abruptos e com velocidades semelhantes em todas as direções. 

No entanto, ele é classificado como nistagmo jerk quando os movimentos dos olhos ocorrem em duas fases. As oscilações são mais rápidas e abruptas em uma direção, seguidas por uma fase de retorno mais lenta à posição inicial. 

Assim como ocorre no tipo pendular, essa fase lenta do jerk é resultado do problema ocular. Já a fase mais rápida é considerada um movimento corretivo.

Origem da condição ocular

Em relação à origem, o nistagmo pode ser classificado em dois tipos. Ele é chamado de nistagmo congênito quando se manifesta nos primeiros meses de vida. Normalmente, ela é identificada quando o bebê completa de dois a três meses de vida. 

As causas mais comuns de nistagmo se dão por distúrbios congênitos, como retinoblastoma, ausência congênita da íris, catarata congênita, estrabismo e astigmatismo elevado. 

Em geral, o problema é diagnosticado quando os pais e, principalmente, o pediatra, percebe que a criança tem dificuldade para focalizar imagens ou objetos.

No entanto, quando o problema se manifesta a partir dos seis meses de vida, ela é classificada como nistagmo adquirido. Nesse caso, o distúrbio pode se manifestar em qualquer idade, inclusive em pessoas adultas. 

Geralmente, essa condição pode ser resultado de outros problemas de saúde graves, como esclerose múltipla, Acidente Vascular Cerebral (AVC), lesões neurológicas agudas, efeitos adversos de alguns medicamentos, entre outras. 

Quais as causas e fatores de risco associados ao nistagmo?

Conforme explicado, o nistagmo pode obter diferentes causas e condições de saúde, que impactam diretamente a variação da doença que o indivíduo vai desenvolver. Confira abaixo uma lista com algumas dessas causas:

  • Catarata congênita;
  • Ausência congênita da íris do olho;
  • Inflamação do ouvido interno;
  • Miopia ou astigmatismo elevado, 
  • Labirintite;
  • Albinismo;
  • Lesões do sistema vestibular;
  • Tumor ou câncer nos olhos;
  • Lesões na medula que afetam o controle do movimento do globo ocular;
  • Tumores no cérebro que impactam o movimento dos olhos;
  • Esclerose múltipla;
  • Perda de visão;
  • Deficiência de vitamina B12;
  • Infecções bacterianas, como neurossífilis;
  • AVC;
  • Acidentes e traumas que afetam o crânio e o sistema nervoso;
  • Consumo de álcool e drogas;
  • Efeitos colaterais de certos medicamentos, como alguns usados no tratamento de epilepsia.

Como é feito o diagnóstico do nistagmo?

O diagnóstico do nistagmo geralmente é realizado pelo médico oftalmologista. Durante a consulta, esse profissional analisa os sinais e sintomas do paciente, seu histórico de saúde e até seus hábitos. 

Ele também pode solicitar a realização de alguns exames específicos, como a videonistagmografia, para registrar e estudar os padrões de movimento dos olhos, e exames de imagem, como a ressonância magnética. 

Além disso, o médico pode pedir a realização de exames neurológicos, anatômicos e oftalmológicos aprofundados para identificar a causa do movimento involuntário dos olhos. 

Essa avaliação completa é fundamental para o correto diagnóstico do nistagmo e a definição do tratamento do paciente. 

Vale lembrar que como o nistagmo pode ser resultado de problemas em diferentes órgãos do corpo, seu diagnóstico e tratamento pode exigir uma abordagem multidisciplinar

Isso significa que os oftalmologistas podem atuar em colaboração com neurologistas e outros especialistas para fechar o diagnóstico correto e traçar um plano de tratamento mais efetivo.

Nistagmo tem cura?

Sim, nistagmo tem cura, mas a possibilidade e a eficiência do tratamento dependem da causa e do tipo da doença. Não existe um tratamento capaz de corrigir ou curar o nistagmo congênito, condição em que a criança já nasce com essa condição ocular. 

Nesses casos, o oftalmologista pode prescrever tratamentos para aliviar os sintomas de “olhos dançantes”, como uso de medicamentos, prescrição de óculos de grau e reabilitação visual.

Por outro lado, existem várias estratégias que podem ser utilizadas para curar o nistagmo adquirido. Entenda a seguir.

Como é o tratamento do nistagmo adquirido?

O tratamento do nistagmo adquirido varia de acordo com a causa e a gravidade dos sintomas. Por exemplo, se a causa do problema for o consumo excessivo de álcool e outras drogas, é necessário suspender o uso dessas substâncias. 

O mesmo deve ocorrer se a condição ocular estiver relacionada ao uso de algum medicamento específico. Nesse caso, a recomendação é conversar com o médico que prescreveu o remédio. Se necessário, ele vai sugerir uma medicação substituta para dar seguimento ao tratamento da causa adjacente.

Porém, se a causa do olho dançante estiver relacionada a algum erro de refração, o oftalmologista poderá prescrever óculos de grau e/ou lentes de contato para corrigir o problema. 

Em situações mais complexas, o médico pode recomendar intervenções cirúrgicas para corrigir ou melhorar a estabilidade visual do paciente. 

A cirurgia de estrabismo, também chamada de cirurgia do músculo ocular, é um dos tratamentos que podem ser indicados para reduzir o desconforto causado pela visão trêmula. 

Outros tipos de cirurgia podem ser indicados quando há um componente neurológico envolvido na condição ocular, o que exige a correção de problemas anatômicos para melhorar a capacidade visual do paciente.

Seja qual for a causa do nistagmo, contar com o apoio de um oftalmologista de confiança é fundamental para obter o diagnóstico e o tratamento correto dessa doença.

Ficou com alguma dúvida ou precisa de um atendimento especializado? Entre em contato com a equipe da Clínica de Oftalmologia Integrada e agende já sua consulta!

Banner com o botão de agende sua consulta
Dr. Ricardo Filippo

Dr. Ricardo Filippo

CRM: 5281096-7 | RQE: 17512. Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Durante sua vida acadêmica, participou de dezenas de congressos e simpósios, no Brasil e no exterior, e ministrou diversas aulas sobre Oftalmologia. Veja informações sobre sua experiência na área.
Mulher sorrindo usando o computador de óculos

O que é a falsa miopia?

A falsa miopia é um problema ocular que afeta de forma temporária a capacidade da pessoa enxergar objetos distantes. Veja quais os sintomas dessa condição

Imagem de um teste de diabetes sendo realizado na mão

Como a diabetes pode afetar a visão?

A diabetes afeta a visão quando o nível de glicose do sangue está alto, provocando alterações oculares que podem causar o desenvolvimento de doenças como

Comentários