Existe tratamento para reverter o ceratocone? Conheças as opções disponíveis

Mulher com sintomas de ceratocone

Os tratamentos para ceratocone variam conforme o grau de evolução e a gravidade da doença. O diagnóstico precoce e o acompanhamento oftalmológico são fundamentais para evitar o avanço desse problema ocular.

O ceratocone é uma doença degenerativa que afeta o formato da córnea do olho, causando a perda progressiva da capacidade visual. Caso não seja tratada corretamente, esse problema prejudica a qualidade de vida dos seus portadores. 

Essa doença não tem cura, nem pode ser revertida. No entanto, existem tratamentos para ceratocone capazes de atrasar seu desenvolvimento e evitar seu estágio mais avançado.

Neste artigo, explicaremos as principais características desse problema ocular e quais as opções disponíveis de tratamentos para ceratocone.

O que é ceratocone? 

O ceratocone é uma doença que altera o formato e a curvatura da córnea, membrana transparente que reveste os olhos. Por conta dessa alteração, a córnea passa a apresentar um formato cônico em vez de sua forma arredondada natural. 

Essa doença pode acometer os dois olhos de maneira assimétrica. Isso significa que o problema pode afetar mais um olho do que o outro. Caso não seja tratada corretamente, ela pode contribuir para o rápido desenvolvimento de astigmatismo e/ou miopia

Isso porque alterações no formato da córnea impedem a projeção de imagens nítidas na retina, provocando o desenvolvimento progressivo desses erros de refração. 

Essa doença pode atingir homens e mulheres de qualquer idade. Geralmente, seus sintomas começam a surgir entre a infância e a adolescência, podendo evoluir com o passar dos anos. No entanto, a doença tende a se estabilizar apenas quando a pessoa atinge a fase adulta. 

O que causa o ceratocone?

As causas do ceratocone ainda são desconhecidas. Até o momento, os médicos sabem apenas que ela é uma doença hereditária. 

Provavelmente, as alterações estruturais da córnea são resultados de fatores que provocam a perda de seus elementos estruturais. 

Um desses fatores envolve o hábito de coçar os olhos com frequência, ato que contribui diretamente para a deformação da córnea e consequente aparecimento da doença. 

Por esse motivo, pessoas que sofrem com rinite, asma e outras alergias têm mais chance de desenvolver a doença.

Por conta de fatores hereditários, esse problema ocular também é mais frequente em pessoas com Síndrome de Down, Síndrome de Marfan e doenças oculares congênitas.

Quais são os sintomas do ceratocone?

O ceratocone pode provocar o desenvolvimento de vários sintomas que comprometem a qualidade de vida e a acuidade visual dos seus portadores.

Confira abaixo os sintomas mais comuns dessa doença.

  • Perda progressiva da visão;
  • Visão borrada e distorcida;
  • Dificuldade para enxergar objetos de longe e de perto;
  • Diplopia (visão dupla de objetos);
  • Poliopia (visão de diferentes imagens de um mesmo objeto).
  • Hábito de apertar os olhos para tentar enxergar melhor;
  • Dor de cabeça;
  • Capacidade de enxergar halos ao redor de luzes mais fortes;
  • Alta sensibilidade à luz (fotofobia);
  • Coceira e irritação ocular.

Como é feito o diagnóstico dessa doença?

O diagnóstico do ceratocone é realizado pelo médico oftalmologista. Durante a consulta, o médico deve avaliar os sintomas, o histórico familiar do paciente e solicitar a realização de alguns exames. 

Um desses exames é a biomicroscopia. Também conhecido como exame na lâmpada de fenda. Esse exame permite que o oftalmologista analise as estruturas do olho em detalhes, como córnea, cristalino, retina, entre outros. 

O médico também pode solicitar a realização do exame de topografia da córnea. Ele é importante por criar um mapa tridimensional digital da superfície da córnea, facilitando a avaliação e o diagnóstico do paciente. 

Caso necessário, o médico pode solicitar outros exames complementares, como paquimetria corneana e tomografia computadorizada da córnea, para confirmar o diagnóstico e avaliar a progressão da doença.

Quais as opções de tratamentos para ceratocone?

O oftalmologista pode indicar a realização de diferentes tratamentos para ceratocone. A escolha entre eles depende do grau de evolução e da gravidade da doença.

Por esse motivo, o médico precisa avaliar o paciente antes de definir qual o melhor tratamento para o seu caso.

Atualmente, esses tratamentos consistem em opções cirúrgicas e não cirúrgicas.

Confira abaixo os procedimentos realizados nos dois casos.

Tratamentos não cirúrgicos para ceratocone

Os tratamentos para ceratocone que não envolvem cirurgia são indicados para casos em que a doença está nos seus estágios iniciais. 

Eles não interrompem a progressão da doença, mas oferecem conforto e melhora da capacidade visual do paciente quando ele está em um estágio em que procedimentos cirúrgicos não são recomendados.

Nesses casos, o médico pode recomendar um dos tratamentos a seguir: 

Óculos de grau

O uso de óculos de grau é indicado quando a doença ainda está em seu estágio inicial. Nessa fase, a visão do paciente não está muito comprometida e ainda não existe astigmatismo irregular avançado. Por isso, o uso de óculos é uma solução eficiente para recuperar a acuidade visual

Lentes de contato

O ceratocone é uma doença que pode progredir com o tempo. Isso significa que ela pode se agravar à medida que a pessoa envelhece. 

Por conta dessa evolução, o uso dos óculos de grau pode deixar de ser uma medida eficiente para melhorar a acuidade visual. Quando isso acontece, o médico recomenda o uso de lentes de contato. 

Essas lentes facilitam o ajuste da superfície anterior da córnea e ainda ajudam a corrigir o astigmatismo irregular causado pela deformidade dessa estrutura.

O ideal é que as pessoas usem as chamadas lentes de contato rígidas, que regularizam a superfície do olho e melhoram a percepção visual do paciente. Esse tipo de lente também melhora a oxigenação, aumentando a eficiência da relação lente-córnea e reduzindo os riscos de infecções.

Outra opção eficaz é a lente escleral, alternativa que se destaca por oferecer mais conforto ao paciente e por sua capacidade de corrigir casos mais avançados de ceratocone.

Tratamentos cirúrgicos para ceratocone

Os tratamentos cirúrgicos indicados para essa doença também variam conforme o quadro clínico do paciente e o estágio da doença. Em geral, eles são recomendados para casos mais graves, quando os procedimentos não cirúrgicos se tornam ineficientes.

Confira abaixo quais as opções de tratamento nesses casos.

Anéis intracorneanos

Os anéis intracorneanos são indicados quando os óculos e as lentes de contato já não são capazes de melhorar a acuidade visual do paciente. Normalmente, isso acontece quando a ceratocone está no seu estágio intermediário.

Também chamados de anéis de Ferrara, o objetivo desse tratamento é restaurar o formato arredondado da córnea para melhorar a qualidade visual do paciente. Para isso, o paciente precisa passar por um procedimento cirúrgico rápido e indolor, que dura cerca de 20 minutos. 

É importante lembrar que os anéis intracorneanos não impedem a progressão do ceratocone, mas amenizam seus sintomas e melhoram a capacidade visual do paciente. 

Crosslinking

crosslinking é uma opção avançada de tratamento para ceratocone. Ele é indicado quando o paciente apresenta uma piora do quadro clínico da doença, que alcança o estágio mais avançado.

Trata-se de um procedimento cirúrgico capaz de fortalecer a estrutura corneana. Isso porque ele estimula as moléculas de colágeno presentes no órgão a criarem novas ligações entre si, se tornarem mais rígidas, interrompendo o avanço da doença.

A cirurgia de crosslinking é simples e rápida, realizada apenas com anestesia local e sem necessidade de internação hospitalar. O paciente pode voltar para casa poucos minutos após o procedimento, que envolve diferentes etapas. 

Inicialmente, o oftalmologista faz a raspagem da superfície da córnea do paciente e aplica um colírio à base de vitamina B2 (riboflavina). 

Em seguida, é aplicada um feixe de luz ultravioleta, gerando o estímulo necessário para que as fibras de colágeno se unam. Ao final do procedimento, o médico coloca uma lente de contato gelatinosa no olho afetado para auxiliar na cicatrização da córnea.

Transplante de córnea

transplante de córnea é a última indicação de tratamento para ceratocone. Durante o procedimento, o médico substitui a córnea comprometida pela doença por outra saudável disponibilizada em um banco de olhos. 

Essa não é uma cirurgia simples, já que envolve riscos. Por esse motivo, esse procedimento é indicado apenas quando os tratamentos anteriores já foram utilizados e não obtiveram sucesso. Ou seja, ele é recomendado para casos graves, quando o paciente está em estágio avançado da doença.

Apesar da sua complexidade, normalmente a cirurgia de transplante de córnea é bem-sucedida. Além disso, os casos de rejeição são raros, sendo que o transplante pode ser repetido caso o paciente apresente algum problema.

Vale lembrar que o desenvolvimento do ceratocone está ligado a fatores genéticos. Por isso, pessoas com casos da doença na família devem fazer acompanhamento oftalmológico mesmo quando não apresentam sintomas.

Isso permite a realização desses exames e facilita o diagnóstico precoce desse problema ocular. Assim, a pessoa pode iniciar os tratamentos para ceratocone nas fases iniciais da doença, impedindo ao máximo a sua progressão e evitando a necessidade de passar por uma cirurgia de transplante.

Ficou com alguma dúvida ou precisa de um atendimento especializado? Entre em contato com a equipe da Clínica de Oftalmologia Integrada e agende já sua consulta!

Banner com o botão de agende sua consulta
Dr. Ricardo Filippo

Dr. Ricardo Filippo

CRM: 5281096-7 | RQE: 17512. Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Durante sua vida acadêmica, participou de dezenas de congressos e simpósios, no Brasil e no exterior, e ministrou diversas aulas sobre Oftalmologia. Veja informações sobre sua experiência na área.
Mulher sorrindo usando o computador de óculos

O que é a falsa miopia?

A falsa miopia é um problema ocular que afeta de forma temporária a capacidade da pessoa enxergar objetos distantes. Veja quais os sintomas dessa condição

Imagem de um teste de diabetes sendo realizado na mão

Como a diabetes pode afetar a visão?

A diabetes afeta a visão quando o nível de glicose do sangue está alto, provocando alterações oculares que podem causar o desenvolvimento de doenças como

Comentários